Saudade: A realidade de um comissário brasileiro

Saudade: A realidade de um comissário brasileiro

662
0
Compartilhe

RIO DE JANEIRO – Assim como em diversas outras profissões, a distância de casa e da família é frequentemente presente no dia a dia dos comissários de bordo.Deve-se atentar primeiramente ao fato da distância inerente, porém temporária para quem quer trabalhar com o que sonha com o sonho.
“Quando se tem filho pequeno, é importante manter um diálogo direto e conversar bastante com eles, para possam entender que apesar da distância, sua profissão lhe trás recursos financeiros, realização pessoal  e muitos outros benefícios”, diz Wellington Alves, comissário de bordo. “A saudade faz parte da nossa carreira. Dependemos disso para conseguirmos o que nós almejamos. Quando estamos juntos fazemos de tudo para aproveitar o máximo possível do tempo, tanto com os pais, como também com a esposa e filhos.”

Disse ainda ao Cmte. Werneck, que devido aos avanços tecnológicos que possuímos hoje em dia, essa distância pode ser encurtada através dos aplicativos de mensagens, alguns inclusive com vídeo chamada, onde a saudade, pode ser amenizada.

VEJA TAMBÉM: Robinson 44 Raven II

A realidade de Wellington é a mesma de muitos comissários de bordo ao redor do globo. São os tais ‘ossos do ofício’ que os antigos mais falavam. Quando sonhamos com algo, ainda mais quando se fala em aviação, temos que correr atrás porque quando chegamos lá em cima tudo se torna melhor.

 

Redação – Portal do Piloto

Deixe uma resposta